História

História

Fundação das Irmãs Franciscanas da Divina Providência

A Fraternidade Franciscana da Divina Providência foi fundada pela Irmã Ana de Jesus Faria de Amorim (ver a sua biografia neste site, na secção “Fundadores”).

Ana de Jesus Faria de Amorim, nascida a 25 de Março de 1896, em Soutelo, distrito de Braga, entrou em 1920 nas Irmãs Franciscanas Missionárias de Maria, em Tuy, Galiza. A 13 de Junho de 1926, ano em que se celebrava o sétimo centenário da morte de S. Francisco de Assis, professou solenemente nesta Congregação.

Interpelada pelo clamor dos mais pobres, nos quais via os “membros de Cristo”, cedo manifestou às suas Superioras o desejo de se dedicar ao seu serviço. Mas é transferida para França, partindo obedientemente na esperança de aí poder responder aos apelos de Deus. O eclodir da II Guerra Mundial em França obrigou a mais uma partida cujo destino não era claro, mas claríssimo continuava a ser o propósito de consagrar a vida aos mais pobres dos pobres.

Regressada a Portugal, e uma vez juridicamente desvinculada da sua amada Congregação, com quarenta e cinco anos de idade, recomeça um novo caminho sem nada na bagagem, a não ser uma fé e uma confiança inabalável na Divina Providência. Em 15 de Setembro de 1942, chega a Fátima para aí estabelecer o berço da Obra da Divina Providência, abrindo a primeira casa na Moita Redonda.

Nesse mesmo ano obtém a aprovação oral da Obra por parte do Bispo de Leiria e, atendendo ao convite do Prelado de Beja, abre duas casas nesta diocese. De forma providencial conseguiu, entretanto, reunir meios para edificar mais uma casa em Fátima, onde instala o “Abrigo da Divina Providência”, inaugurado em 1958 (atual sede da Congregação), e abrir uma casa em Coimbra.

História

Ao longo dos trinta anos que dedicou à sua Obra e Congregação, a Irmã Ana de Jesus tudo fez para garantir para estas e as suas Irmãs a aprovação canónica. E, na verdade, não morreu sem vislumbrar já sinais claros desse reconhecimento por parte da Igreja. Partiu para o Pai, a quem chamou sempre a “Divina Providência”, no mês da Mãe, a 10 de Maio de 1976.

Acontecimentos fundamentais após a morte da Irmã Fundadora 

História

O dia 10 de Maio de 1976 é um marco histórico na vida e história desta pequena Congregação religiosa. Foi o dia em que a Divina Providência determinou para a Irmã Ana da Jesus descansar em paz, na eternidade e ouvir a Palavra do Senhor: “Vinde benditos de Meu Pai recebei em herança o Reino, preparado para vós, desde o princípio do mundo” (Mat. 25 e ss.).

Em 1977, Frei Adelino Pereira assume a função de Assistente da Fraternidade Franciscana da Divina Providência, começando a trabalhar com as Irmãs, investindo sobretudo na sua formação, na reestruturação da obra social e na redescoberta dos carismas da Irmã Fundadora. Neste sentido, iniciou também um importante trabalho de organização dos documentos e fontes que lhe serviram de base para diversas publicações sobra a Fundadora, bem como para a elaboração das Constituições da Fraternidade.

Em 1978 inicia-se a campanha de peditórios para a construção da Casa do Bom Samaritano.

Em Outubro de 1981 é benzida a primeira pedra da Casa do Bom Samaritano, na Capelinha das Aparições; e no dia 1 de Novembro de 1983 as meninas da Casa da Moita e da Casa da Divina Providência passaram a habitar a nova Casa do Bom Samaritano.

Depois de um longo período de trabalho com as Irmãs, a 25 de Março de 1982, dia memorável para todas as Irmãs da Fraternidade, foram aprovados os primeiros estatutos da Pia União Fraternidade Franciscana da Divina Providência.

Em 15 de Setembro de 1984 foi o dia da solene bênção da Casa do Bom Samaritano, realização inesquecível de um grande sonho.

Em Novembro de 1985 a Fraternidade é agregada à Ordem dos Frades Menores.

De 1996 a 1999 a Congregação celebrou o centenário do nascimento da Irmã Fundadora, com vários eventos desde a terra natal da Irmã Ana de Jesus Amorim, Soutelo, Braga, às paróquias onde as Irmãs exerciam a sua missão pastoral.

Depois de um longo período de preparação e continuado trabalho de aperfeiçoamento das Constituições e Diretório, a 25 de Dezembro de 1998 tivemos a imensa alegria de ser aprovadas como Congregação Religiosa de Direito Diocesano.

2002. Partida para Timor e abertura da primeira comunidade missionária. Este acontecimento é um marco histórico na vida da Congregação por ser a concretização de uma dimensão fundamental do Carisma da Irmã Fundadora, a missão Ad Gentes. E a 13 de Agosto de 2003 foi benzida a residência das Irmãs em Padiae.

2005. Falecimento do Frei Adelino Pereira, OFM, no dia 12 de Fevereiro de 2005. Quis a Divina Providência que ele recebesse a visita da irmã morte na casa do Bom Samaritano, onde passou, com a anuência dos seus Superiores, os últimos meses da sua vida. Nesta casa, que ele com as Irmãs edificou para ser uma concretização atual da parábola do Bom Samaritano.

2008. Primeiras Profissões Religiosas de Irmãs Timorenses na nossa Fraternidade. Sinal de esperança para a Congregação, pois, “do Oriente o Senhor chamou as suas filhas”.

2009. Publicação do Diário de Frei Adelino Pereira, ofm, cofundador.

2009. Abertura da Creche do Bom Samaritano por ocasião da celebração do 25º aniversário da Casa do Bom Samaritano (dados que se encontram desenvolvidos noutras secções deste site).

2012. Benção e inauguração da Casa de Formação em Díli e abertura de uma nova comunidade. Dez anos após a partida para a missão, a Fraternidade Franciscana da Divina Providência vê nascer uma nova esperança com a abertura desta Casa.

2013. Publicação da obra “Fontes Providencialistas, volume I”. Graças ao trabalho e sabedoria do nosso Assistente, Frei Isidro Pereira Lamelas, foi possível compilar e publicar todos os Escritos da Irmã Fundadora num só volume.

2013. Capítulo Geral da Congregação, com o lema: “Confiadas na Divina Providência rumo ao futuro com esperança”.

Assistentes espirituais da Ordem Franciscana

Desde o início da sua Fundação que a Irmã Fundadora teve como conselheiros e assistentes espirituais da sua Obra sacerdotes franciscanos OFM, que sabiamente a ajudaram a discernir os caminhos por onde o Espírito Santo a conduzia.

Isto foi e continua a ser assim tanto pela sua tradição histórica como pelo facto de a nossa Fraternidade estar agregada à OFM, desde Novembro de 1985. Como consta do Diretório da FFDP, é normal que seja um franciscano da OFM o assistente espiritual da nossa Congregação.

Mas outros seus confrades franciscanos acompanharam, como assistentes, a Congregação desde a sua génese. Eis o nome dos mesmos:Um desses sacerdotes Frei Adelino Pereira, OFM, veio a ser reconhecido como Cofundador pela própria Congregação no seu Capítulo Geral de Setembro de 2007.

  • Frei Roque do Amaral (1892-1970), Assistente de 1942 a 1970;
  • Frei António Ribeiro (1889-1974), Assistente de 1971-1974;
  • Frei Guilherme Ferreira da Costa (1916-2001), Assistente 1974 a 1975;
  • Frei Adelino Pereira (1931-2005), Assistente 1975 a 2005;
  • Frei Isidro Pereira Lamelas (1965), desde 2005 é o atual Assistente.

Outros sacerdotes que ajudaram a Congregação

Ao longo destes anos da nossa rica história, outros sacerdotes ajudaram a Congregação a caminhar e a crescer na fidelidade ao carisma e à sua missão na Igreja e no mundo. De entre estes, merece menção o Cónego José Galamba de Oliveira que acompanhou a Congregação, por nomeação do Senhor Bispo de Leiria, entre 1960 e 1968, uma fase muito difícil da obra fundada pela Irmã Ana de Jesus.

Outros sacerdotes apoiaram com a sua dedicação e sabedoria a Obra da Divina Providência, até à atualidade, entre eles merece particular destaque os sacerdotes do Coração de Maria.

O apoio incondicional dos Senhores Bispos de Leiria Fátima, desde a primeira hora com a aprovação oral dada à Irmã Ana Amorim, até à aprovação da Congregação religiosa, em 1998.

Também queremos mencionar a ajuda dos sacerdotes da Congregação do Verbo Divino, que asseguram a celebração da Eucaristia diária na Casa do Bom Samaritano desde o seu início.

História