Centro Social de Nossa Senhora de Fátima, Padiae

Centro Social de Nossa Senhora de Fátima, Padiae

Abril de 2002 marca o inicio da actividade missionária desta Congregação, com a chegada das primeiras três Irmãs a Timor, mais concretamente ao enclave de Oe- cusse, uma região particularmente isolada e pobre de Timor-Leste. Desde então, e partindo do nada, têm vindo a desenvolver um trabalho de referência em prol desta comunidade traduzido em diversos projetos.

Centro Social de Nossa Senhora de Fátima, Padiae

Ao longo deste tempo as Irmãs têm vindo a desenvolver o Centro Social de Nossa Senhora de Fátima de Padiae como base do seu trabalho missionário em Oe-cusse. A realidade deste Centro Social está bem patente para qualquer visitante: um ATL que diariamente cuida, alimenta e educa 170 crianças e jovens; cursos de formação profissional com formadores dedicados como sejam os de corte, costura, bordados e informática; tudo isto apoiado por uma série de infraestruturas como sejam uma sala de informática completamente equipada, sala de corte e costura, sala de jogos e audiovisuais, biblioteca, duas salas de aulas, uma cozinha, um autocarro escolar, para nomear as mais relevantes.

Centro Social de Nossa Senhora de Fátima, Padiae

Centro Social de Nossa Senhora de Fátima, Padiae

Centro de Alfaiataria Franciscano Padiae

Trabalha-se ainda em outros projetos de desenvolvimento rural, agrícola e reflorestação; e apoio às famílias mais carenciadas.

Um dos mais importantes e emblemáticos foi o projeto “Uma casa para o Enclave”, financiado por diversas entidades e particulares, a mais significativa o Instituto Português para a Habitação através da Fundação D. Ximenes Belo. Ao abrigo deste projeto foram até ao momento construídas em todo o território de Oe-cusse 144 casas destinadas a famílias carenciadas e atingidas pela lepra e tuberculose.

Para que tudo isto se possa materializar, o continuado apoio da Congregação em Portugal é vital, com a doação gratuita e abnegada das irmãs missionárias e apoios materiais. Não menos decisivo foi a assinatura de um protocolo com a Cooperação Portuguesa – Ministério do Trabalho e Segurança Social em Março de 2006, em articulação com o Ministério do Trabalho e da Reinserção Comunitária de Timor Leste.

Através deste protocolo foi possível garantir uma melhor sustentabilidade dos nossos projetos, nomeadamente o do apadrinhamento de crianças, reforçando assim o programa da Associação Portuguesa Tane Timor. Este programa também é significativamente apoiado pela Escola Europeia de Bruxelas e diversos particulares.

Centro Social de Nossa Senhora de Fátima, Padiae