Centro Social da Divina Providência, Fátima

Centro Social da Divina Providência, Fátima

Missão

A Casa do Bom Samaritano, inaugurada em 1984, surgiu para desempenhar uma missão assistencial, cujo principal objetivo é o acolhimento de raparigas e mulheres com deficiência mental, provenientes de meio sócio-económico e familiar desfavorecido ou sem outro apoio institucional. Tal missão é desenvolvida procurando ser a encarnação e a pregação viva da Parábola do Bom Samaritano: ensinar a amar graciosamente aqueles que não nos são nada, como se nos fossem tudo; ensinar não só a dar, mas a darmo-nos; ensinar não só a cuidar destas pessoas, mas também a viver e a conviver com elas; ensinar a formar uma comunidade e a construir uma família.

A Casa do Bom Samaritano tem sido e pretende-se que continue a ser sempre um espaço de humanização: pela solidariedade, amor e fraternidade que desencadeia uma dinâmica de vivência prática da fé e da caridade, conforme aos ensinamentos de Jesus, que se serve das nossas Meninas para nos ministrar a grande lição da vida.

O Centro Social da Divina Providência ficou mais rico, desde que em 26 de Setembro de 2009, se inaugurou a Creche do Bom Samaritano. A semente desta resposta social começou a germinar no já distante ano de 1942, quando a Irmã Ana de Jesus Faria de Amorim, Fundadora das Irmãs Franciscanas da Divina Providência, movida pelo sopro de graça Divina, quis transpor para a vida as palavras de Jesus: “o que fizerdes aos mais pequeninos dos meus irmãos é a mim que o fazeis”.

Centro Social da Divina Providência, Fátima

História

A bênção da primeira Pedra da Casa do Bom Samaritano, lar residencial para mulheres portadoras de deficiência física-mental, ocorreu no dia 4 de Outubro de 1981, data em que a Família franciscana inaugurava em Fátima o VIII Centenário do Nascimento de S. Francisco de Assis. Nesse mesmo ano iniciaram-se as obras, com a intenção de fazer desta casa uma parábola viva do Bom Samaritano inspirada no exemplo e testemunho de S. Francisco de Assis que teve na Irmã Ana de Jesus uma fiel imitadora em nossos dias.

Centro Social da Divina Providência, Fátima

Edificada sem qualquer tipo de apoio de instituições estatais ou oficiais, a Casa do Bom Samaritano é fruto da partilha das Irmãs Franciscanas da Divina Providência que alienaram seus bens para adquirir o terreno em que viria nascer e crescer o atual complexo. Mas as mesmas Irmãs estavam longe de poder suportar as despesas previstas para tal obra. Esta é, por isso, também fruto da partilha de muitos benfeitores que generosamente foram respondendo aos apelos que as Irmãs, sempre acompanhadas de Frei Adelino, foram divulgando por paróquias e igrejas de Leiria e de Portugal.

«Construída pelo povo, esta casa tem de ser do povo e para o povo», como gostava de recordar o Fr. Adelino, é obra da gratuidade do povo que constitui a Igreja de Cristo e, portanto, é também uma obra eclesial e da Divina Providência.

Pedra a pedra e graça a graça, os recursos foram aparecendo: uns davam dinheiro, outros, géneros, uns azulejos, outros, telhas ou cimento… outros orações.

No dia de S. Francisco, 4 de Outubro de 1981, o Senhor Bispo de Leiria, D. Alberto Cosme do Amaral, benzeu a primeira pedra. Esta Casa dos pobres nascia assim sob a inspiração e bênção do Santo que beijou os leprosos e abraçou os pobres em quem via o sacramento de Cristo.

Centro Social da Divina Providência, FátimaAs obras avançaram com uma surpreendente celeridade, sobretudo tendo em conta a incerteza dos meios disponíveis. Mais uma vez parecia realizar-se o milagre do amor, e foi, de facto, assim que Frei Adelino interpretou os acontecimentos: «Estás deveras maravilhado e mesmo espantado. Não sabes como foi possível construir a casa tão depressa. Pensas que foi milagre e foi mesmo: milagre do amor e milagre da graça. Deus nunca falha quando somos postos à prova. As obras de Deus vão sempre avante mais depressa e mais seguras do que alguém possa imaginar» (Diário).

Dois anos passados, o edifício estava pronto para receber as primeiras Meninas, o que veio a suceder no dia 1 de Novembro de 1983. A partir desta data, as Meninas que já moravam no edifício da Moita Redonda e no velho pavilhão da casa da Divina Providência começaram a residir na Casa do Bom Samaritano. Contudo, só no dia 15 de Setembro do ano seguinte teve lugar a inauguração oficial e solene.

Centro Social da Divina Providência, Fátima

Foi um dia memorável para as Irmãs da Congregação bem como para as Meninas que habitavam a nova casa. A elas se associaram os representantes da Igreja, da Ordem, da Família Franciscana e autoridades civis locais e nacionais.

À Eucaristia presidiu o Senhor Bispo de Leiria-Fátima, Dom Alberto Cosme do Amaral e concelebraram vários sacerdotes do clero da diocese e da Ordem Franciscana. Depois da eucaristia, o Senhor Bispo abençoou a casa.

Assim nasceu, cresceu e continua de portas abertas esta “Casa” que procura nos nossos dias testemunhar que o Evangelho continua atual e atuante, para além de essencial para o nosso mundo necessitado de provas de Amor e espaços que sejam escolas de saber cuidar.

Centro Social da Divina Providência, Fátima